quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Solução

Venho nutrindo impunemente
Um sentimento inominado, inocente,
E por isso tem, forte, crescido,
E vem crescendo rápido e escondido

Hei, sem perceber, levado
À tempestade meu barco a ser naufragado
Pois meu controle do que sinto há sido roubado
E uma febre de delírios me controlado

A solução, pelo que sofro, hoje eu percebo,
É pôr um termo antes que a queda se afigure,
Ou se o sorriso que me dás não é placebo
Ao precipício, comigo, você se atire.

Pablo de Araújo Gomes, 19 de agosto de 2009