quinta-feira, 18 de março de 2010

Em Seu Aconchego

Sei que o dia não é propício
Nem, a hora, apropriada
Mas, adiar este encontro
De bom, não teria nada

Há dias, espero vê-la
Tenho a alma amargurada
Minha vida, uma aquarela
Pelo pranto desbotada

Se não mato essa saudade
Nem resolvo o que é pendente
Não encontro o meu sossego

Espero que a felicidade
Que em meu peito está dormente
Acorde, em seu aconchego

Pablo de Araújo Gomes, 18 de março de 2010