sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Homenagem

Este poema é para ti,
Que nunca me abandonaste
Para ti, que me acompanhas sempre,
Desde o primeiríssimo dia
Fatídico dia em que te conheci

Contigo, aprendi a importância do afeto,
Contigo, descobri a força de um abraço,
Pinto, então, teu mais fiel retrato
Que minhas palavras sejam eterna homenagem!

Por ti, amadureci, chorei, sofri,
Por ti, superei a timidez, venci,
Ao teu lado, comecei e pus fim
A relacionamentos amorosos.
Contigo, aprendi o valor de uma mãe,
Contigo, aprendi o valor de um pai,
Contigo, descobri o valor de um conselho
E até aprendi a ser só, de vez em quando.

Aliás, tu me ensinaste o prazer solitário,
E me mostraste como é bom dar prazer

Então, para ti erijo esta escultura
Que minhas palavras sejam eterna homenagem!

Escrevo pra ti, e escrevo até pouco,
Mereces mais, sem dúvida,
Tu, minha eterna companheira
Que jamais, jamais me abandonaste,
Nos melhores e nos piores momentos,
A ti, minha Eterna Carência Afetiva,
Rendo, em homenagem, agradecimentos,
E, com a arte que me ajudaste a aprender,
Te ofereço os meus Vivas!

Pablo de Araújo Gomes, 08 de janeiro de 2010